Petróleo no Brasil tem ‘perspectiva brilhante’

A Petrobrás aparece em relatório da Agência Internacional de Energia (AIE) como dona do segundo maior investimento do setor de petróleo em 2012. De acordo com ranking divulgado no World Energy Outlook 2012, a estatal brasileira vai destinar US$ 47,3 bilhões a novos projetos. O valor só está atrás da também estatal Petrochina, que deve investir US$ 48 bilhões.

Excluídos os tradicionais produtores de petróleo, o Brasil tem a “mais brilhante perspectiva” para a produção da commodity no mundo, segundo a avaliação da AIE. A entidade prevê que a produção brasileira diária crescerá 3,5 milhões de barris até 2035, o melhor desempenho fora da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e o segundo maior do mundo, atrás apenas do Iraque, cujo volume deve crescer em 5,6 milhões de barris.

De acordo com o relatório, o principal aumento do investimento da Petrobras será na exploração e extração de petróleo, que concentrará US$ 28,4 bilhões, valor 23% maior que o volume investido em 2011. O restante dos recursos será destinado às outras áreas de atuação, como refino e distribuição.

Entre as demais petroleiras, a ExxonMobil aparece com o terceiro maior investimento de 2012, com total de US$ 37 bilhões. Em seguida, aparecem a Chevron (US$ 32,7 bilhões), Shell (US$ 30 bilhões), Gazprom (US$ 27,5 bilhões) e Sinopec (US$ 27,4 bilhões).

Ao todo, as 25 maiores petroleiras do mundo devem investir US$ 462,3 bilhões em novos projetos de extração, refino, energia, petroquímica e distribuição, montante 7% maior do que o destinado em 2011.

No relatório anual sobre as perspectivas mundiais da produção de energia, o Brasil recebeu atenção especial e foi tema de um trecho do documento. No quadro Boom de petróleo no Brasil ganha ritmo, a entidade afirma que, além do aumento da produção dos últimos anos, o País ganha importância com a perspectiva de volumes crescentes nos campos do pré-sal.

“Os campos no pré-sal devem guiar a maior parte do aumento da produção brasileira”, cita o documento.

Pelas estimativas da AIE, a produção brasileira deve aumentar dos 2,2 milhões de barris diários registrados em 2011 para 5,7 milhões de barris diários em 2035. A estimativa da AIE é de que, no fim desse período, a produção brasileira seja mais que duas vezes maior que a do México, estimada em 2,6 milhões de barris diários no mesmo ano.

O relatório projeta que o ritmo da produção ganhará força a partir de 2020. Pelas estimativas da AIE, o volume diário brasileiro alcançará 2,8 milhões em 2015, 4 milhões em 2020, 5 milhões em 2025 e 5,5 milhões em 2030.

Ao comentar as previsões de aumento da produção fora dos tradicionais produtores da Opep, o relatório destaca o aumento do peso de fornecedores “não convencionais”: o petróleo extraído em águas profundas no Brasil e o óleo leve do Canadá.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

You may use these <abbr title="HyperText Markup Language">html</abbr> tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*