Petrobras tem proposta por ativos na Argentina

A presidente da Petrobras, Graça Foster, confirmou ontem que a companhia recebeu proposta para a venda de ativos na Argentina. “Temos uma proposta na mesa para a Pesa (Petrobras Argentina), com algumas empresas interessadas”, disse Graça. No entanto, ela ressaltou que não tem “data-limite” e nem prazo para decidir sobre a venda.

O jornal argentino “La Nación” dá a negociação como certa e informou ontem que a companhia vendeu 51% do capital de sua subsidiária para a Oil Combustibles, do empresário Cristóbal Lopéz. Porém, a principal executiva da empresa brasileira não confirmou a informação durante audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. “A Pesa está na nossa carteira de desinvestimento, mas não temos pressa em tomar uma decisão.”

Sobres negociações com o grupo X, do empresário Eike Batista, Graça disse que a Petrobras “mantém conversas sistemáticas”. Entretanto, assegurou que a estatal não investirá “um dólar sequer” no Porto do Açu. De acordo com a executiva, o interesse passa apenas pela contratação serviços portuários “a preços competitivos”.

Ao ser questionada sobre a refinaria Abreu e Lima, em construção em Pernambuco e em sociedade com a estatal venezuelana PDVSA, Graça disse que o país vizinho é bem vindo e terá participação no empreendimento a partir do momento em que colocar 40% do valor da refinaria.

O senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA) perguntou se ela, como presidente da Petrobras, compraria a refinaria Passadena, no Texas (EUA). Graça disse que “avaliando com os dados de hoje, talvez não tenha sido a melhor opção (a compra)”. A aquisição ocorreu em 2005, ainda sob a gestão do ex-presidente José Sergio Gabrieli. “Aquele momento era completamente diferente, não existia o pré-sal, o país tinha a expectativa de crescimento do consumo interno e era preciso ter refinarias também lá fora para atender esse consumo”, explicou.

Graça aproveitou a apresentação feita no Senado para informar que companhia importará menos diesel e gasolina em 2013, embora haja a previsão de aumento do consumo no mercado interno. “Produziremos mais diesel e mais gasolina sem colocar novas refinarias em operação”, disse. Segundo a ela, o consumo de diesel aumentará em 5% e de gasolina 3,2% este ano. “Vamos produzir mais, importar menos e nosso resultado neste ano será melhor”, acrescentou.

Na visão de Graça, a Petrobras está conseguindo obter “mais convergência” entre os preços de combustível dos mercados interno e externo. Neste sentido, ela considera que o recente reajuste nos preço da gasolina e diesel foi muito importante. “A convergência com preços internacionais é importante, pois a indústria do petróleo é extremamente dolarizada”.

Como estratégia, a presidente da Petrobras disse que está trabalhando para reduzir o impacto de poços secos encontrados na exploração do pré-sal. “Esta redução de poços secos ajudou na composição do nosso lucro operacional”.

Na apresentação aos senadores, Graça disse que, embora a companhia tenha registrado queda de produção, registrou alta nos investimentos do primeiro trimestre, que aumentaram de R$ 18 bilhões para R$ 19,8 bilhões entre 2012 e 2013. De acordo com Graça, sete plataformas de produção serão colocadas em operação em 2013, que responderão pelo acréscimo de capacidade de produção de 820 mil barris de petróleo/dia. Ela ressaltou que há boa expectativa quanto ao plano de investimento. Segundo ela, a taxa de sucesso exploratório no pré-sal é atualmente de 82%. A empresa, ainda segundo a executiva, reduziu o prazo de perfuração de poços no pré-sal em 70 dias.

Fonte: Valor Econômico

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

You may use these <abbr title="HyperText Markup Language">html</abbr> tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*