HRT inicia a perfuração do 11º poço na Bacia do Solimões

A HRT iniciou ontem a perfuração do poço HRT-11, no prospecto de Cajazeiras, localizado no Bloco SOL-T-172, na Bacia do Solimões.  O objetivo principal deste poço é identificar a presença de hidrocarbonetos em reservatórios carboníferos da formação Juruá, em profundidade estimada de 2.035 metros e o objetivo secundário é de identificar os reservatórios devonianos da formação Uerê, a uma profundidade de 2.080 metros, com acumulações de hidrocarbonetos. Este poço está sendo perfurado pela sonda QG-VIII e tem sua profundidade final prevista a 2.175 metros.

O poço 1-HRT-11-AM situa-se a aproximadamente 60 km a nordeste do Campo de Leste do Urucu e visa testar uma estrutura dômica alongada de direção NE-SW, com 17 km2 de área, similar aos alinhamentos de Juruá/Tefé e Urucu.
Em 2012 foram perfurados seis poços na campanha exploratória da Bacia do Solimões (1-HRT-5, HRT-6, HRT-7, HRT-8, HRT-9 e HRT-10), sendo obtidos resultados positivos de gás e condensados em cinco deles. Ao longo do ano passado, a empresa conseguiu reduzir em 40% o tempo médio de metros perfurados por dia nos dois últimos poços – HRT-9 e HRT-10 – que estão entre as maiores descobertas de gás no onshore brasileiro.

Estas descobertas foram importantes para a assinatura de um Protocolo de Intenções com a Petrobrás e a TNK-Brasil, para viabilizar estudos para a monetização do gás natural na área do Campo Juruá e arredores.
O consórcio HRT O&G (55%) e TNK-Brasil (45%) detém licenças para operar 21 blocos na Bacia do Solimões, que somados ocupam uma área de aproximadamente 48.500 km2. No Brasil, a HRT detém ainda participação em três blocos de exploração em bacias onshore, cobrindo uma área de cerca de 110 km2 nas Bacias do Recôncavo (BA), Espírito Santo (ES) e Rio do Peixe (PB).
A HRT iniciou ontem a perfuração do poço HRT-11, no prospecto de Cajazeiras, localizado no Bloco SOL-T-172, na Bacia do Solimões.  O objetivo principal deste poço é identificar a presença de hidrocarbonetos em reservatórios carboníferos da formação Juruá, em profundidade estimada de 2.035 metros e o objetivo secundário é de identificar os reservatórios devonianos da formação Uerê, a uma profundidade de 2.080 metros, com acumulações de hidrocarbonetos. Este poço está sendo perfurado pela sonda QG-VIII e tem sua profundidade final prevista a 2.175 metros.

O poço 1-HRT-11-AM situa-se a aproximadamente 60 km a nordeste do Campo de Leste do Urucu e visa testar uma estrutura dômica alongada de direção NE-SW, com 17 km2 de área, similar aos alinhamentos de Juruá/Tefé e Urucu.

Em 2012 foram perfurados seis poços na campanha exploratória da Bacia do Solimões (1-HRT-5, HRT-6, HRT-7, HRT-8, HRT-9 e HRT-10), sendo obtidos resultados positivos de gás e condensados em cinco deles. Ao longo do ano passado, a empresa conseguiu reduzir em 40% o tempo médio de metros perfurados por dia nos dois últimos poços – HRT-9 e HRT-10 – que estão entre as maiores descobertas de gás no onshore brasileiro.

Estas descobertas foram importantes para a assinatura de um Protocolo de Intenções com a Petrobrás e a TNK-Brasil, para viabilizar estudos para a monetização do gás natural na área do Campo Juruá e arredores.

O consórcio HRT O&G (55%) e TNK-Brasil (45%) detém licenças para operar 21 blocos na Bacia do Solimões, que somados ocupam uma área de aproximadamente 48.500 km2. No Brasil, a HRT detém ainda participação em três blocos de exploração em bacias onshore, cobrindo uma área de cerca de 110 km2 nas Bacias do Recôncavo (BA), Espírito Santo (ES) e Rio do Peixe (PB).

Fonte: Redação TnPetroleo

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

You may use these <abbr title="HyperText Markup Language">html</abbr> tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*