ANP analisa a renovação dos contratos de 12 campos offshore

A ANP avalia a renovação do contrato de Roncador, na Bacia de Campos, operado pela Petrobras em parceira com a Equinor (75%-25%), que virou sócia no ativo em 2018. A extensão de contratos implica na aprovação de novos planos de investimento nos campos.

– Roncador é um dos maiores campos do país, com uma produção de 170 mil barris/dia, mas em queda há quatros anos, desde que atingiu o pico de 330 mil barris/dia, em 2015.
Ao todo, a ANP analisa a renovação de doze campos offshore: Roncador, Barracuda, Caratinga, Albacora Leste, Espadarte, Paru, Manati, Pampo, Enchova, Enchova Oeste, Marimbá e Bonito. Produzem, juntos, mais de 270 mil barris/dia e 7 milhões de m³/dia de gás, mas já produziram 670 mil barris/dia em 2010.
– Todos esses ativos são operadores pela Petrobras, mas Pampo, Enchova, Enchova Oeste, Marimbá e Bonito fazem parte dos polos Pampo e Enchova, que a companhia tenta vender. No início de junho, a Petrobras recebeu propostas de mais de US$ 1 bilhão pelos ativos.
A extensão do prazo dos contratos de concessão da “rodada zero” vai render investimentos da ordem de US$ 18 bilhões, segundo cálculos da ANP.  A agência já aprovou a ampliação do prazo de concessão de nove campos, seis no offshore (Marlim, Marlim Leste, Marlim Sul, Frade, Voador e Ubarana), com investimentos da ordem de US$ 15 bilhões para os próximos cinco anos.
Fonte: epbr

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

You may use these <abbr title="HyperText Markup Language">html</abbr> tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

%d blogueiros gostam disto: